CERSAM É FISCALIZADO APÓS DENÚNCIAS DE MORADORES

Esta manhã visitamos o Centro de Referência em Saúde Mental (CERSAM) na regional oeste de BH. Junto com representantes da PBH, fomos fiscalizar as condições estruturais e de atendimento da unidade de saúde. Há alguns meses recebemos reclamações de familiares de pacientes acerca do serviço prestado no local, o que nos motivou a acionar órgãos competentes para conferirmos de perto se os requisitos mínimos para um atendimento de qualidade estavam sendo feitos.

Infelizmente nos deparamos com várias defasagens como salas de atendimento infestadas por mofo, alimentação reduzida, consultórios muito pequenos e equipamentos ultrapassados.

Todas estas demandas encaminharemos formalmente à Prefeitura e vamos cobrar não somente melhorias, mas se possível até mesmo a construção de um novo centro de referência. As pessoas merecem atendimentos dignos. Saúde é coisa séria.

2 comentários

    • Lilian em 12 de março de 2019 às 19:29

    Responder

    Bom saber que tem alguém se preocupando com os Cersam’s, especialmente o Oeste, no qual há décadas pessoas de minha família, por oras, involuntariamente, buscamos a ajuda deles. Estes centros são de extrema importância para quem tem um familiar com doença mental. Nos últimos anos, infelizmente muita mudança para “pior”. Preocupa muito a segurança (desta vez a paciente estava com hamatomas indicando ter “apanhado” de algum outro paciente). Vi profissionais correndo o risco de ser “agredido” por pacientes mais alterados e em um ambiente sem a segurança necessária para uma situação de emergência. O local é seguro??? Embora sempre deparamos com alguns profissionais fazendo o trabalho com dedicação, muito se ver a precariedade da estrutura e funcionários que se setem fazendo “favor”, muito ruim isto! Nos últimos tempos, o agravante tem sido médicos que desconhecem o histórico do paciente que muitas vezes a família pode relatar e eles sequer tem o tempo para ouvir. Por sinal hoje passei por esta situação pois a família foi chamada e, segundo a medica de plantão, o paciente precisava ser levado para UPA. Percebeu-se que no entendimento de enfermeiros, psicológos e outros profissionais que já conhecem o paciente há décadas, e principalmente familiares, todo o sintoma do paciente não passava do quadro bem conhecido nos períodos de crises. Foi muito preocupante perceber o despreparo da médica psiquiatra que mal deu atenção a família e para explicar as razões que encaminhara à UPA. Se a ordem partiu da médica, quem somos nós para ir contra mas explicar e ouvir , ela tem que estar preparada. Muito triste isto e a sensação de que os direitos do cidadão não são respeitados como está na lei e o funcionário público sempre achando que é “um favor” . É claro que na sua posição poderá fazer muito mais junto aos orgãos competentes.Muitas vezes as dificuldades são tantas até mesmo para aqueles que estão ali para fazer o trabalho com dedicação e para isto é preciso sim muita “fiscalização” e “ação” da administração pública.
    Não o conheço porem tomei a iniciativa de enviar os comentários ao tomar conhecimento de alguns projetos de sua iniciativa , especialmente 628/18 e 683/18, ao buscar informações sobre os CERSAM’s. Boa sorte!!!

    • João Vitor de oliveira soares em 9 de outubro de 2019 às 15:21

    Responder

    Qual telefone eu ligo pra fazer uma denuncia no cersam norte ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado