No bairro Nova Cintra, visitamos área desapropriada e abandonada que gera transtornos à comunidade

Desapropriada pelo ex-prefeito Marcio Lacerda em 2011 para construção de uma Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei), a área situada no Bairro Nova Cintra, próxima ao Cemitério da Colina, era habitada por cerca de 20 famílias. Segundo vizinhos e ex-moradores, que até hoje não foram indenizados, o local foi abandonado após a demolição das casas, em 2014.

Em visita técnica junto com representantes da Regional Oeste, ouvimos a comunidade e constatamos os problemas apontados. Além de cobrar a intensificação das ações de limpeza e combate a zoonoses no local, nos comprometemos a apurar a situação jurídica e a destinação prevista para a área pela atual gestão.

Percorremos o local ao lado de vizinhos e ex-moradores, que denunciaram o abandono da área pela Prefeitura desde a demolição dos imóveis desapropriados, há cinco anos. Segundo eles, o acúmulo de mato, o descarte irregular de lixo, animais mortos e bota-foras clandestinos atraem ratos, baratas, escorpiões e mosquitos transmissores de doenças, que invadem as residências do entorno, gerando insegurança e trazendo riscos à saúde de moradores e transeuntes. De acordo com as denúncias recebidas que recebemos, a área foi desapropriada em 2011 para a construção de uma Umei; no entanto, a obra nunca foi iniciada.

Durante a visita, constatamos também a presença de carcaças de veículos, embalagens plásticas, restos de alimentos, fezes, animais mortos, pneus, garrafas, materiais de construção e outros resíduos que além de poluir o ambiente acumulam água, favorecendo a proliferação do mosquito transmissor da dengue e outras viroses epidêmicas. Entre a terra, a sujeira e o mato que cresce no local, adolescentes que soltavam papagaio solicitaram às autoridades construção de um campinho de futebol ou área de lazer.

Destinação da área

Com relação à limpeza do terreno e o combate a zoonoses, iremos requerer formalmente à Administração Regional e à Superintendência de Limpeza Urbana, por meio da Comissão de Saúde e Saneamento, que os procedimentos sejam realizados com maior frequência; Sylvio Malta ( Administração Regional Oeste ), se comprometeu a empenhar esforços para atender a solicitação e garantiu que o recolhimento de entulhos será feito pelo menos de 15 em 15 dias. Sobre a construção da Umei (hoje denominada Emei) ou outra possível destinação do terreno, o coordenador afirmou não ter conhecimento dos planos da Prefeitura, e que informações a esse respeito devem ser obtidas junto à Sudecap e à Secretaria Municipal de Educação. Após essa apuração, poderemos realizar outra visita técnica ao local, com o acompanhamento de gestores da área de educação.

Caso não esteja mais prevista a implantação da escola de educação infantil, nos comprometemos na ocasião a promover uma audiência pública no próprio bairro para que os moradores possam apresentar demandas e sugestões para o aproveitamento da área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado